sábado, 18 de dezembro de 2010

Grandes Nomes da TV 2 - Ariclenes Venâncio Martins (Lima Duarte)

Lima Duarte é um dos pioneiros da TV no Brasil. Ele nasceu num povoado de Minas Gerais, chamado Nossa Senhora da Purificação do Desemboque e do Sagrado Sacramento, em 29 de março de 1930. 
Chegou em São Paulo a bordo de um caminhão que transportava mangas. Seu pai era o boiadeiro Antônio José Martins, e sua mãe era artista do circo América.
Ingressou no rádio, onde fez de tudo, desde ser locutor e cuidar da sonoplastia, até ser radioator. Foi nessa época que assumiu o nome de Lima Duarte.
Esteve na primeira telenovela brasileira, Sua Vida Me Pertence (1950), escrita e dirigida por Walter Foster (1917/1996). Nessa novela também atuavam Dionísio Azevedo (1922/1994) e Vida Alves (1928/).


Em 1968 dirigiu, junto com Walter Avancini, a novela Beto Rockfeller, de Cassiano Gabus Mendes. Nessa novela trabalhavam Luiz Gustavo (1940/), Débora Duarte (1950/), Bete Mendes (1949/), Ana Rosa (1942/), Irene Ravache (1944/), Plínio Marcos (1935/1999) e Marilia Pera (1943/), entre outros. Detalhe: Débora Duarte é filha da atriz Marisa Sanchez, que casou com Lima Duarte em 1952. Ela adotou o sobrenome do Padrasto...


Em 1973, Lima Duarte interpretou seu primeiro grande papel na TV: Zeca Diabo, na novela O Bem-Amado, escrita por Dias Gomes. Nela também trabalharam Paulo Gracindo (1911/1995), Emiliano Queiroz (1938/), Ida Gomes (1923/2009), Dorinha Duval (1929/), Dirce Migliaccio (1933/2009), Jardel Filho (1927/1983), Sandra Bréa (1952/2000), e muitos outros.


Em 1975, já com 45 anos, Lima Duarte fez a novela Pecado Capital, onde interpretou o empresário Salviano Lisboa, dono das Confecções Centauro e pai de seis filhos: Vitória (Theresa Amayo), Vilma (Débora Duarte), Vicente (Luiz Armando Queiroz), Virgílio (Lauro Góes), Vinícius (Marco Nanini) e Valter (João Carlos Barroso). Ele se apaixona por Lucinha (Betty Faria), que ama Carlão (Francisco Cuoco). 


Entre 1980 e 1984, ele reviveu o Zeca Diabo, na série O Bem-Amado, veiculada na TV Globo. Nesse mesmo ano, substituiu Rolando Boldrin (1936/), na apresentação do programa Som Brasil, que ia ao ar nos domingos pela manhã. Ficou nele até 1989.


Em 1985, Lima Duarte foi um dos protagonistas da novela Roque Santeiro, no papel de Sinhozinho Malta. Ele disputava o amor da Viúva Porcina (Regina Duarte) com o próprio Roque Santeiro (José Wilker). Nessa novela, escrita por Dias Gomes, também trabalharam Yoná Magalhães (Matilde ), Fábio Júnior (Roberto Mathias), Eloísa Mafalda (Dona Pombinha), Cláudia Raia (Ninon), Patrícia Pillar (Linda Bastos) e muitos outros.


Em 1989, ele trabalhou na novela O Salvador da Pátria, de Lauro César Muniz, onde viveu Sassá Mutema, um bóia-fria que se apaixona pela Professora Clotilde (Maitê Proença). Nessa novela também trabalharam Francisco Cuoco (Severo Toledo Blanco), Betty Faria (Marina Cintra) e José Wilker (João Matos/Miro Ferraz), entre outros.


Em 1992, Lima Duarte foi Murilo Pontes, na novela Pedra Sobre Pedra. Nela, ele era casado com Gioconda Pontes (Eloísa Mafalda), mas tinha uma relação de amor e ódio com Pilar Batista (Renata Sorrah). Quem sofria com isso eram os filhos deles, Leonardo Pontes (Maurício Mattar) e Marina Batista (Adriana Esteves). Em 1997, ele reviveria esse personagem, na novela A Indomada (ambas eram de Aguinaldo Silva).


Em 1998, Lima Duarte participou do remake da novela Pecado Capital, no papel de Tonho Alicate (Francisco Cuoco, que fora o Carlão na primeira versão, viveu Salviano Lisboa na segunda).


Em 1999, ele viveu o bispo, no Auto da Compadecida (minissérie em 4 capítulos, realizada por Guel Arraes).


Em 2001, ele viveu o Senador Vitório Vianna na novela Porto dos Milagres, de Aguinaldo Silva. Ele viveria esse papel novamente em Senhora do Destino (2004, também escrita por Aguinaldo Silva).


Ainda em 2004, ele viveu Afonso Lambertini, na novela Da Cor do Pecado, com Taís Araújo (Preta) e Reynaldo Gianecchini (Paco/Apolo).


Em 2005, foi a vez de Murat Güney, da novela Belíssima, que era casado com Katina (Irene Ravache), e "pai" de Cemil (Leopoldo Pacheco). Na verdade, Cemil é filho de Nikos Petrakis (Tony Ramos), que é amigo de Pedro e Vitória Assumpção (Henry Castelli e Cláudia Abreu). Nikos ainda se envolveu com Júlia Assumpção (Glória Pires), neta de Bia Falcão (Fernanda Montenegro). Essa novela foi escrita por Sílvio de Abreu.


E em 2009, Lima Duarte viveu Shankar, na novela Caminho das Índias, de Glória Perez. Shankar era pai de Opash (Tony Ramos) e criou Bahuan (Márcio Garcia), que disputava o amor de Maya (Juliana Paes) com Raj (Rodrigo Lombardi), filho de Opash...


Lima Duarte trabalhou em mais de 20 filmes e já ganhou diversos prêmios por seu trabalho. E, aos 80 anos, com 60 de uma carreira que se confunde com a da TV no Brasil, promete muito mais...Ele é "pai" da também atriz Débora Duarte (1950/) e é avô das atrizes Daniela Duarte (1975/) e Paloma Duarte (1977/).



Nenhum comentário:

Postar um comentário