terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Grandes Nomes da TV 3 - Marieta Severo

Marieta da Costa Severo Freire nasceu no Rio de Janeiro, em novembro de 1946. Seu sonho era ser bailarina, e estudou balé clássico durante muitos anos. Mas, aos 16 anos (1962), mudou de idéia. Foi nesse ano que ela ingressou no curso de Teatro Tablado, da professora Maria Clara Machado (autora de Pluft, O Fantasminha).

Em 1964, Marieta se casou com Carlos Vergara, mas se separou em 1965. Em 1966, se casou com o cantor Chico Buarque de Hollanda, e ficou casada com ele até 1999.

Sua carreira no teatro começou em 1965, com as peças Society em Baby Doll e Feitiços de Salém. Depois, faria Se Correr o Bicho Pega e Se Ficar o Bicho Come (1966), Roda Viva  (1968), Ligações Perigosas (1987), Antígona (1982), Torre de Babel (1995), Quem Tem Medo de Virgínia Woolf (2000), Sonata de Outono (2005) e As Centenárias (2007), entre outras.
Na televisão, sua estréia foi na novela O Sheik de Agadir (1966), onde fazia a Princesa Éden, que depois se revelaria a assassina de grande parte do elenco, usando o pseudônimo de "Rato". Nessa novela trabalharam Yoná Magalhães, Leila Diniz, Mário Lago, Márcia de Windsor, Emiliano Queiroz e Cláudio Marzo, entre outros. 


Entre 1967 e 1968, Marieta Severo deu vida a Thana, na novela O Homem Proibido, novela escrita por Glória Magadan e dirigida por Daniel Filho. Ela trabalhou com Carlos Alberto, Yoná Magalhães, Mário Lago, Emiliano Queiroz, Paulo Gracindo, Cláudio Cavalcanti, Rubens de Falco e Norma Blum, entre outros.


Nessa época, a Ditadura "endureceu", e o casal Chico Buarque e Marieta Severo (foto acima) se auto-exilaram na Itália, permanecendo anos por lá. Em 1969, nasceu a primeira filha do casal, Sílvia Severo Buarque de Hollanda. Ela possui cidadania italiana, pois nasceu em Roma. O padrinho foi o cantor,  compositor e poeta Vinícius de Moraes (1913/1980).


Na volta para o Brasil, Marieta atuou na novela E Nós, Aonde Vamos? (1970) da escritora Glória Magadan, e nas peças O Casamento do Pequeno-Burguês (1974), Os Saltimbancos (1977), Ópera do Malandro (1978), Amadeus e Aurora da Minha Vida (1982), entre outras. Ainda em 1970, nasceu sua segunda filha, Helena Buarque. A terceira, Luísa Buarque, nasceu em 1975.


Ela só retornou à televisão (e à Rede Globo)na década de 80, na novela Champagne (1983), de Cassiano Gabus Mendes. Nela, ela vivia Dinah Brandão, uma mulher sofredora, casada com Zé Brandão (Jorge Dória) e mãe de Greg (Cássio Gabus Mendes). A novela ainda tinha Antônio Fagundes, Irene Ravache, Armando Bógus, Beatriz Segall, Cecil Thiré, Cláudio Corrêa e Castro, Isabel Ribeiro, Tony Ramos e Lúcia Veríssimo, entre outros, no elenco.


Em 1984, ela fez o papel de Catarina de Oliva Salgado, na novela Vereda Tropical. Catarina era filha de Vicente de Oliva Salgado (Walmor Chagas) e irmã de Verônica (Maria Zilda), Gabi (Cristina Pereira) e Victor (Lauro Corona). Na trama, Victor tem um filho com Silvana (Lucélia Santos), chamado Zeca (Jonas Torres). Oliva decidiu brigar pela guarda do menino, quando seu filho morreu. Mas Silvana contava com a ajuda de Luca (Mário Gomes). Luca era filho de Dona Bina (Geórgia Gomide), e irmão de Marco (Paulo Betti), Angelina (Angelina Muniz) e Francesco (Paulo Guarnieri).


Entre 1985 e 1986, Marieta deu vida à personagem Suzana, na novela Ti Ti Ti. Ela era ex-mulher de Ariclenes (Luís Gustavo) e mãe de Luti (Cássio Gabus Mendes). Ari, como era conhecido, odiava André Spina (Reginaldo Farias), que usava o pseudônimo de Jacques Leclair, um grande costureiro. Ari se "transformou" em Victor Valentin, e os dois geram uma "guerra de costureiros". Para piorar, o filho de Ari, Luti, se apaixonou pela filha de André, Valquíria (Malu Mader). André mantinha um relacionamento com Jaqueline (Sandra Bréa) e ainda "aprontava" com Clotilde (Tânia Alves), sua secretária. Mas quem fazia as roupas de Victor Valentin era Cecília (Nathália Timberg), que acabou se revelando mãe de André. Essa novela marcou a estréia dos atores Tato Gabus, Betty Goffman e Guilherme Fontes, na Globo. E também tinha Myrian Rios e Paulo Castelli, entre outros. Acima, Marieta e Luís Gustavo.


Em 1989, foi a vez dela viver Madeleine Bouchet, uma feminista, na novela Que Rei Sou Eu? A novela se passava no Reino de Avilan, governado pela Rainha Valentine (Tereza Rachel). Essa rainha era dominada por seus conselheiros reais: Crespy (Carlos Augusto Strazzer), Gaston (Oswaldo Loureiro), Bidet (John Herbert), Gerárd (Laerte Morrone) e Vanolli (Jorge Dória). O único conselheiro honesto era Bergeron (Daniel Filho), marido de Madeleine. Para completar a trama, havia Jean Pierre (Edson Celulari), Aline (Giulia Gam), Ravengar (Antônio Abujamra), Pichot (Tato gabus Mendes), Princesa Juliette (Cláudia Abreu), Suzane (Natália do Vale) e Corcoran (Stênio Garcia), entre outros. Acima, Marieta e Daniel Filho.


Em 1994, ela viveu a interesseira Loreta Pellegrini, sobrinha de Raul Pellegrini (Tarcísio Meira), que era casado com Teresa (Eva Wilma) e depois se casou com Lídia Laport (Vera Fischer). Raul era inimigo de Alice (Cláudia Abreu), uma jovem idealista, que se envolvia com Nando (Rodrigo Santoro) e depois com Rodrigo (Fábio Assunção).


Em 2000, Marieta viveu Alma Flora (acima), na novela Laços de Família, de Manoel Carlos. Alma era tia de Edu (Reynaldo Gianecchini) e Júlia (Júlia Almeida) e mulher de Danilo (Alexandre Borges). Edu se envolvia com Helena (Vera Fischer), uma mulher mais velha, que ele conheceu num acidente, em frente à livraria Dom Casmurro, de Miguel (Tony Ramos). Mas, com o tempo, ele acabou se envolvendo com Camila (Carolina Diekmann), filha de Helena. Alma ainda teve o dissabor de descobrir que sua empregada, Ritinha (Juliana Paes) estava grávida de Danilo...


De 2001 até hoje, Marieta Severo vive a Dona Nenê, no seriado A Grande Família. Dona Nenê é casada com Lineu (Marco Nanini) e é mãe de Bebel (Guta Stresser) e Tuco (Lúcio Mauro Filho), além de ser sogra de Agostinho (Pedro Cardoso), entre outros personagens. Acima, Marieta e Marco Nanini.


Marieta Severo atuou em muitos filmes, dos quais destacamos: Todas As Mulheres do Mundo (1967), Bye Bye Brasil (1979), Leila Diniz (1987), Carlota Joaquina, Princesa do Brazil (1995), Guerra de Canudos (1997), Castelo Rá-tim-bum (1999), Cazuza - O Tempo Não Pára (2004), Irma Vap - O Retorno (2006), A Grande Família - O Filme (2007) e Quincas Berro D'Água (2010), entre outros. Acima, a capa do filme Carlota (1995).


Na vida pessoal, Marieta vive atualmente com o diretor teatral Aderbal Freire Filho (desde 2004), e é sogra do ator Chico Diaz (casado com Sílvia) e do cantor, compositor e percussionista Carlinhos Brown (casado com Helena). 


Por toda essa obra é que Marieta Severo merece nossa homenagem.


video







Novelas dos Anos 50 e 60 - Parte 2

Eu Compro Esta Mulher - novela de Glória Magadan, que foi ao ar em 1966, na TV Globo, e foi dirigida por Henrique Martins e com a estréia de Yoná Magalhães, que formou par romântico com Carlos Alberto, com quem viria a se casar. Além deles, trabalharam na novela: Leila Diniz, Ziembinski, Cláudio Marzo e Miriam Pires.

O Sheik de Agadir - outra novela de Glória Magadan, que foi ao ar em 1966, pela TV Globo. Dessa vez, havia um assassino na novela, que "matou" grande parte do elenco. Ao final, descobriu-se que "O Rato" (o "assassino") era, na verdade, uma mulher, interpretada por Marieta Severo (foto acima), que estreava. Yoná Magalhães, Leila Diniz, Emiliano Queiroz e Cláudio Marzo também estavam nessa novela.

Paixão Proibida - Janete Clair escreveu essa novela para a TV Tupi em 1967, sendo estrelada por Sérgio Cardoso, Rosamaria Murtinho, Juca de Oliveira e Lima Duarte. O ator Sérgio Cardoso deu tantos palpites na trama, que Janete acabaria por se aproximar de Daniel Filho, que a levou para a Globo.

O Pequeno Lord - novela da TV Tupi, que marcou a estréia do ator Paulo Castelli, em 1967.

Éramos Seis - em 1967 foi ao ar, pela segunda vez, a novela Éramos Seis. A primeira tinha sido em 1958, na TV Record, com dois capítulos por semana. Nessa versão, Cleyde Yáconis fazia a mãe, Sílvio Rocha era Júlio, Plínio Marcos era Carlos, Roberto Orosco era Alfredo, Antônio Carlos era Julinho e Guy Loup era Maria Isabel.

A Rainha Louca - novela de Glória Magadan, dirigida por Ziembinski e Daniel Filho, foi ao ar em 1967, na TV Globo. Foi a primeira a gravar cenas no exterior (México) e tinha, em seu elenco, Nathália Timberg e Rubens de Falco (foto acima), Cláudio Marzo, Paulo Gracindo, Zilka Salaberry e Leila Diniz. Foi a estréia de Daniel Filho na Direção e de Zilka Salaberry na Globo, como atriz.

Sangue & Areia - novela que foi escrita por Janete Clair para a TV Globo (depois de sair da TV Tupi), em 1967. Foi a estréia de Tarcísio Meira e Glória Menezes (foto acima) na Globo. Também tinha no elenco: Cláudio Marzo, Arlete Salles, e outros.

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Novelas dos Anos 50 e 60 - Parte 1

Dizem que brasileiro adora novela, mas vejo que não é só brasileiro: vários países adoram, como México, por exemplo. Mas as novelas brasileiras alcançaram um grau de qualidade que muitos outros países não conseguem alcançar e, por isso, acabam nos copiando.

Para quem não sabe, a primeira novela brasileira foi Sua Vida Me Pertence, que foi ao ar entre dezembro de 1951 e fevereiro de 1952. Essa novela foi escrita e dirigida por Walter Foster, e ficou famosa pois nela aconteceu o primeiro beijo da TV, entre Walter Foster e Vida Alves (foto abaixo). Além desse casal, os atores Dionísio Azevedo e Lima Duarte também atuaram.


Mas essa novela não era diária. Ela passava às terças e quintas, às 20:00 horas. Somente na década de 60 as novelas se tornaram diárias.

Novelas dos Anos 60:


Alma Cigana - foi a primeira novela diária da TV Tupi, de março a maio de 1964, e marcou a estréia da atriz Ana Rosa (foto abaixo);


O Direito de Nascer - novela escrita pelo cubano Félix Caignet, e dirigida por Lima Duarte. Teve 282 capítulos, de dezembro de 1964 até agosto de 1965, e fez tanto sucesso, que seu final foi no Ibirapuera (SP) e no Maracanãzinho (RJ). Os atores principais eram Nathália Timberg, Amilton Fernandes, Rolando Boldrin e Isaura Bruno;

2-5499 Ocupado - foi ao ar de julho a setembro de 1963, e foi a primeira novela diária, indo ao ar na TV Excelsior e reunia, pela primeira vez, o casal Tarcísio Meira e Glória Menezes, além de Lolita Rodrigues, Neuza Amaral;



Quando O Amor É Mais Forte - novela da TV Tupi, foi ao ar de setembro a novembro de 1964 e marcou a estréia do ator Juca de Oliveira em novelas;


A Outra - foi ao ar entre julho e outubro de 1965, na TV Tupi. Marcou a estréia de Tony Ramos em novelas, além de Geórgia Gomide, Walmor Chagas, Elias Gleizer, Débora Duarte e Paulo Figueiredo;
Um Rosto Perdido - novela que foi ao ar entre novembro de 65 a fevereiro de 66, na TV Tupi. Marcou a estréia da atriz Aracy Balabanian (foto abaixo) em novelas;


A Moreninha - novela que foi ao ar entre outubro e dezembro de 1965, na Rede Globo. Tinha, no elenco: Marília Pêra, Cláudio Marzo, Emiliano Queiroz, Gracindo Júnior e Zezé Macedo, entre outros;

Renúncia - novela que foi ao ar entre julho e setembro de 1964, na TV Record. Tinha os seguintes artistas: Francisco Cuoco, Felipe Carone, Maria Helena Dias, e muitos outros;

sábado, 18 de dezembro de 2010

Grandes Nomes da TV 2 - Ariclenes Venâncio Martins (Lima Duarte)

Lima Duarte é um dos pioneiros da TV no Brasil. Ele nasceu num povoado de Minas Gerais, chamado Nossa Senhora da Purificação do Desemboque e do Sagrado Sacramento, em 29 de março de 1930. 
Chegou em São Paulo a bordo de um caminhão que transportava mangas. Seu pai era o boiadeiro Antônio José Martins, e sua mãe era artista do circo América.
Ingressou no rádio, onde fez de tudo, desde ser locutor e cuidar da sonoplastia, até ser radioator. Foi nessa época que assumiu o nome de Lima Duarte.
Esteve na primeira telenovela brasileira, Sua Vida Me Pertence (1950), escrita e dirigida por Walter Foster (1917/1996). Nessa novela também atuavam Dionísio Azevedo (1922/1994) e Vida Alves (1928/).


Em 1968 dirigiu, junto com Walter Avancini, a novela Beto Rockfeller, de Cassiano Gabus Mendes. Nessa novela trabalhavam Luiz Gustavo (1940/), Débora Duarte (1950/), Bete Mendes (1949/), Ana Rosa (1942/), Irene Ravache (1944/), Plínio Marcos (1935/1999) e Marilia Pera (1943/), entre outros. Detalhe: Débora Duarte é filha da atriz Marisa Sanchez, que casou com Lima Duarte em 1952. Ela adotou o sobrenome do Padrasto...


Em 1973, Lima Duarte interpretou seu primeiro grande papel na TV: Zeca Diabo, na novela O Bem-Amado, escrita por Dias Gomes. Nela também trabalharam Paulo Gracindo (1911/1995), Emiliano Queiroz (1938/), Ida Gomes (1923/2009), Dorinha Duval (1929/), Dirce Migliaccio (1933/2009), Jardel Filho (1927/1983), Sandra Bréa (1952/2000), e muitos outros.


Em 1975, já com 45 anos, Lima Duarte fez a novela Pecado Capital, onde interpretou o empresário Salviano Lisboa, dono das Confecções Centauro e pai de seis filhos: Vitória (Theresa Amayo), Vilma (Débora Duarte), Vicente (Luiz Armando Queiroz), Virgílio (Lauro Góes), Vinícius (Marco Nanini) e Valter (João Carlos Barroso). Ele se apaixona por Lucinha (Betty Faria), que ama Carlão (Francisco Cuoco). 


Entre 1980 e 1984, ele reviveu o Zeca Diabo, na série O Bem-Amado, veiculada na TV Globo. Nesse mesmo ano, substituiu Rolando Boldrin (1936/), na apresentação do programa Som Brasil, que ia ao ar nos domingos pela manhã. Ficou nele até 1989.


video
Em 1985, Lima Duarte foi um dos protagonistas da novela Roque Santeiro, no papel de Sinhozinho Malta. Ele disputava o amor da Viúva Porcina (Regina Duarte) com o próprio Roque Santeiro (José Wilker). Nessa novela, escrita por Dias Gomes, também trabalharam Yoná Magalhães (Matilde ), Fábio Júnior (Roberto Mathias), Eloísa Mafalda (Dona Pombinha), Cláudia Raia (Ninon), Patrícia Pillar (Linda Bastos) e muitos outros.


Em 1989, ele trabalhou na novela O Salvador da Pátria, de Lauro César Muniz, onde viveu Sassá Mutema, um bóia-fria que se apaixona pela Professora Clotilde (Maitê Proença). Nessa novela também trabalharam Francisco Cuoco (Severo Toledo Blanco), Betty Faria (Marina Cintra) e José Wilker (João Matos/Miro Ferraz), entre outros.


Em 1992, Lima Duarte foi Murilo Pontes, na novela Pedra Sobre Pedra. Nela, ele era casado com Gioconda Pontes (Eloísa Mafalda), mas tinha uma relação de amor e ódio com Pilar Batista (Renata Sorrah). Quem sofria com isso eram os filhos deles, Leonardo Pontes (Maurício Mattar) e Marina Batista (Adriana Esteves). Em 1997, ele reviveria esse personagem, na novela A Indomada (ambas eram de Aguinaldo Silva).


Em 1998, Lima Duarte participou do remake da novela Pecado Capital, no papel de Tonho Alicate (Francisco Cuoco, que fora o Carlão na primeira versão, viveu Salviano Lisboa na segunda).


Em 1999, ele viveu o bispo, no Auto da Compadecida (minissérie em 4 capítulos, realizada por Guel Arraes).


Em 2001, ele viveu o Senador Vitório Vianna na novela Porto dos Milagres, de Aguinaldo Silva. Ele viveria esse papel novamente em Senhora do Destino (2004, também escrita por Aguinaldo Silva).


Ainda em 2004, ele viveu Afonso Lambertini, na novela Da Cor do Pecado, com Taís Araújo (Preta) e Reynaldo Gianecchini (Paco/Apolo).


Em 2005, foi a vez de Murat Güney, da novela Belíssima, que era casado com Katina (Irene Ravache), e "pai" de Cemil (Leopoldo Pacheco). Na verdade, Cemil é filho de Nikos Petrakis (Tony Ramos), que é amigo de Pedro e Vitória Assumpção (Henry Castelli e Cláudia Abreu). Nikos ainda se envolveu com Júlia Assumpção (Glória Pires), neta de Bia Falcão (Fernanda Montenegro). Essa novela foi escrita por Sílvio de Abreu.


E em 2009, Lima Duarte viveu Shankar, na novela Caminho das Índias, de Glória Perez. Shankar era pai de Opash (Tony Ramos) e criou Bahuan (Márcio Garcia), que disputava o amor de Maya (Juliana Paes) com Raj (Rodrigo Lombardi), filho de Opash...


Lima Duarte trabalhou em mais de 20 filmes e já ganhou diversos prêmios por seu trabalho. E, aos 80 anos, com 60 de uma carreira que se confunde com a da TV no Brasil, promete muito mais...Ele é "pai" da também atriz Débora Duarte (1950/) e é avô das atrizes Daniela Duarte (1975/) e Paloma Duarte (1977/).



segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Bozo, O Palhaço

Você já ouviu falar do Bozo? Não? Aqui no Brasil, ele ficou famoso na década de 80, no SBT. Muita gente, da minha época, assistiu aos programas do Bozo...Mas ele é muito mais antigo que isso...
Alan Wendell Livingston (1917/2009) criou o Palhaço Bozo em 1946. No início, ele narrava histórias infantis, e fez muito sucesso, desde o início...
O sucesso foi tão rápido, que em 1949 estreou O Circo do Bozo na KTTV-TV, de Los Angeles. O programa passava às sextas-feiras, às 19:30 horas.
Em 1956, Larry Harmon (1925/2008), um dos vários atores que interpretou o personagem, comprou os direitos de uso da imagem, e mudou o nome dele para Bozo, O Mais Famoso Palhaço do Mundo, além da voz, do jeito de rir, da fantasia e da cabeleira laranja.
Em 1959, estreou o novo Bozo, na KTLA-TV  de Los Angeles, interpretado por Vance Colvig (1918/1991), filho do Bozo original, Pinto Colvig (1892/1967). Logo começaram a aparecer vários palhaços similares, em vários lugares dos EUA. Vance interpretou o Bozo até 1964.
Em 1965, Harmon comprou todos os direitos ao uso da imagem, tornando-se o único "proprietário" da franquia. Mesmo assim, vários atores interpretaram o Bozo no decorrer dos anos, até a atualidade.
No Brasil, o ator escolhido pelo próprio Larry Harmon para interpretar o Bozo foi Wandeko Pipoca (1979, SBT).

sábado, 11 de dezembro de 2010

Noite de Luar - 1950


video
Era 1950, primeiro ano da TV no Brasil. Três pessoas, que depois ficariam famosas para a eternidade, se uniram para produzir um filme, onde um casal cantaria uma música simples, apaixonada, sem exageros ou indecências...Algo apropriado para as famílias assistirem...

O Diretor desse "clipe" foi Cassiano Gabus Mendes. Falemos um pouco dele:

1) Cassiano Gabus Mendes (1927/1993) - filho do radialista Otávio Gabus Mendes, Cassiano também foi radialista. Mas seu destino era a televisão. Foi o primeiro Diretor Artístico da TV Tupi e, obviamente, do Brasil. Na primeira década, criou programas que se tornariam famosos, como TV de Vanguarda e Alô Doçura. Mas ficaria famoso como escritor de telenovelas. A primeira, de enorme sucesso, foi Beto Rockfeller (de 1968 a 1969).
Depois da Tupi, foi para a TV Cultura e finalmente, para a TV Globo. Escreveu Anjo Mau (1976), Locomotivas (1977), Marrom Glacê (1979), Elas Por Elas (1982), Champagne (1983), Ti Ti Ti (1985), Brega & Chique (1987), Que Rei Sou Eu? (1989) e Meu Bem Meu Mal (1990). Teve dois filhos atores: Tato Gabus Mendes (1960/) e Cássio Gabus Mendes (1961/).

O casal é formado por Ivon Curi e Hebe Camargo:

2) Ivon Curi (1928/1995) - Ivo José Curi era irmão dos locutores Jorge  e Alberto Curi. Em 1947, começou sua carreira de cantor, chegando a cantar um jingle para a campanha do então candidato a Presidente da República João Goulart, junto com Elizeth Cardoso. Depois, trabalhou com Renato Aragão no programa Adoráveis Trapalhões (1966) e na Escolinha do Professor Raimundo (década de 70).
Ivon Curi também fez dublagens, sendo sua a voz do Castiçal de A Bela e A Fera, de Walt Disney (1991).

3) Hebe Camargo (1929/) - Hebe Maria Monteiro de Camargo Ravagnani nasceu em Taubaté (SP) e, ainda na década de 40, formou com sua irmã Stella, a dupla "Rosalinda & Florisbela". Foi como cantora que ela começou a participar de programas de rádio e depois, de TV. Ela esteve no grupo que foi ao Porto de Santos buscar os equipamentos para a futura TV Tupi, e iria participar do primeiro programa de TV, a convite de Assis Chateaubriand. Ela iria cantar o Hino da Televisão,  mas ficou "doente", e foi substituída por Lolita Rodrigues (1929/).
Foi no programa Rancho Alegre (1950), primeiro programa humorístico da televisão brasileira, que Ivon Curi e Hebe Camargo cantaram a música Noite de Luar, de Alberto Ribeiro e José Maria de Abreu.
Depois, ela apresentou o primeiro programa feminino: O Mundo é das Mulheres (1955). Em 1966, ela estreou o programa Hebe Camargo, já na TV Record. Em 1986, ela estreou no SBT, onde está até hoje, aos 81 anos...

Música: Noite de Luar

Ivon - Ai, eu sofri
Tanto tempo assim
Longe de ti!

Hebe - Ai, ai, meu bem,
Padeci,
Chorei tanto também!

Dupla - Hoje, juntinhos
Que beijo nós vamos trocar!
Não tem ninguém perto
E a noite é de luar.
(bis)

Hebe - Se acaso alguém nos visse,
Que farias tu, meu bem?

Ivon - Talvez, eu te pedisse
A teu pai no mês que vem.

Hebe - E se ele te dissesse:
"Minha filha, não te dou"?

Ivon - Então te carregava
Pro meu rancho todo em flor!

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Superman - 1952 a 1958

Para quem acha que Smalville é a primeira série sobre "as aventuras do Superman", está enganado...Muito tempo atrás, já houveram outras séries do "homem de aço"...
Primeiramente, vamos saber um pouco mais sobre o personagem:

O Superman foi criado em 1938 por Jerry Siegel e Joe Shuster. Chama-se Kal-El e nasceu no planeta Kripton, que estava fadado a desaparecer. Assim, seu pai, Jor-El, o enviou numa nave, à Terra, onde foi encontrado pelo casal Kent: Jonathan e Martha. Batizado como Clark Kent, o rapaz acabou indo trabalhar no jornal Planeta Diário, na cidade de Metrópolis. Disfarçadamente, faz a justiça e ajuda os outros como o super herói Superman (Super Homem), além de manter romance com Lois Lane e Lana Lang, principalmente. Abaixo, a capa da primeira HQ onde apareceu o Superman:






A primeira série de TV do Superman começou em 1952 e foi até 1958, num total de 104 episódios. Os astros principais eram George Reeves (Clark Kent/Superman), Jack Larson (Jimmy Olsen), John Hamilton (Perry White), Phyllis Coates (Lois Lane, de 1952 a 1953) e Noel Neill (Lois Lane, de 1953 até 1958).
1) George Reeves (foto acima) - nasceu em 1914 e estrelou Superman com 38 anos. Morreu com um tiro, em 1959, aos 45 anos de idade. Na época, discutiu-se muito se ele suiciodu-se ou se foi assassinado. Seu nome verdadeiro era George Keefer Brewer;
2) Jack Edward Larson - nasceu em 1928 e ainda é vivo (82 anos em 2010). Ele afirma que é de 1933...Foi companheiro do diretor James Bridges até a sua morte, em 1993;
3) John Hamilton - nasceu em 1887 e faleceu em 1958, mesmo ano em que terminou a série Superman;
4) Phyllis Coates - nasceu em 1927, e seu nome verdadeiro é Gypsie Ann Evarts Stell (83 anos em 2010). Quando começou a segunda temporada da série, ela já tinha outros compromissos, e por isso não continuou...;
5) Noel Neill - nasceu em 1920 (90 anos em 2010) e fez o papel de Lois Lane durante o resto da série (de 1953 a 1958). Abaixo, George e Noel:


* Abertura do seriado Superman (1952 a 1958):


video


Mais rápido que uma bala! Mais poderoso que uma locomotiva! Capaz de pular edifícios altos em um único limite! ("Olha! Até no céu!" "É um pássaro!" "É um avião!" "It's Superman !")... Sim, é Superman ... estranho visitante de outro planeta, que veio à Terra com poderes e habilidades muito além dos homens mortais! Superman ... que podem mudar o curso de rios caudalosos, dobrar o aço em suas mãos, e que, disfarçado de Clark Kent , gentil repórter de um grande jornal metropolitano, trava uma luta interminável pela verdade, justiça e pelo modo de vida americano! E agora, mais um episódio emocionante, em As Aventuras de Superman!


* em 2006 foi feito o filme Hollywoodland, com Ben Aflleck no papel de George Reeves. O filme procura explicar a morte do ator, se seria suicídio ou assassinato. A suspeita que o filme lança é que Eddie Mannix (vivido pelo ator Bob Hoskins) mandou matar George porque ele estava tendo um caso com sua mulher, Toni Mannix (vivida por Diane Lane). Eddie Mannix era o chefão da MGM (estúdio cinematográfico), na época...

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Músicas dos Anos 50


Paul Anka - Diana (1957)
video
Graças à televisão, muitas músicas dos anos 50 se tornaram mundialmente conhecidas. Então, nesse post, vamos conhecer algumas dessas músicas:

1950

Mona Lisa - Nat King Cole (http://www.youtube.com/watch?v=fxEmnxiUz8w)

1951

Mambo Nº 5 - Perez Prado (http://www.youtube.com/watch?v=qOuRWkLP-dA)

1952

A Guy Is A Guy - Doris Day (http://www.youtube.com/watch?v=xk-iy6n5Ntk)

1953

Vaya Con Dios - Les Paul e Mary Ford (http://www.youtube.com/watch?v=QqZ0Sdz_V40)

1954


Secret Love - Doris Day (http://www.youtube.com/watch?v=FL87sHjXlVU)

1955

Rock Around The Clock - Bill Halley And His Comets (http://www.youtube.com/watch?v=-qnOf-OMuAw)

1956

Love Me Tender - Elvis Presley (http://www.youtube.com/watch?v=HZBUb0ElnNY)

1957

Diana - Paul Anka (vídeo acima)

1958

Volare - Domenico Modugno (http://www.youtube.com/watch?v=Z-DVi0ugelc)

1959

Smoke Gets In Your Eyes - The Platters (http://www.youtube.com/watch?v=57tK6aQS_H0)

1960

It's Now Or Never - Elvis Presley (http://www.youtube.com/watch?v=hQAe1WRCXH0)

Essas são apenas algumas das músicas que marcaram aquela época, e muitos as conhecem até agora...

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Video - Início da TV no Brasil



video
Pedro Bial apresentando Assis Chateaubriand e o início da TV brasileira, que ocorreu no dia 18 de setembro de 1950 (em 2010, a TV está completando 50 anos de existência).
Ele também fala do primeiro Telejornal, "Imagens do Dia".

The Ed Sullivan Show

video
Edward Vincent Sullivan nasceu em New York, em 1901, e foi um famoso apresentador de TV estadunidense. O seu programa, "The Ed Sullivan Show", foi um dos mais famosos dos EUA.
Entre 1948 e 1971, ele recebeu em seu programa astros da música, desde Elvis Presley (vídeo), até Beatles, Cher, The Doors, Rolling Stones, Bee Gees, James Brown, Jackson's Five, e muitos outros.
Como seu programa coincidiu com o início do Rock'n'Roll, muitos dos primeiros astros desse gênero musical passaram por lá. E, em troca, ele os tornou famosos, fazendo com que milhares e até milhões de pessoas pudessem ver seus astros favoritos. A televisão começava a influenciar na cultura musical da população, chegando a lugares e mostrando o que o rádio não poderia mostrar, e nem os discos poderiam satisfazer...

No vídeo acima, uma apresentação do cantor Elvis Presley, em 1956. Ed Sullivan apresenta o "Rei do Rock" que, por sua vez, apresenta a música "Don't Be Cruel".
Elvis Presley estava com 21 anos nessa época, e tinha apenas dois anos de carreira (1954 é considerado o "ano do nascimento do Rock e início da carreira do "Rei").

Don't Be Cruel - Trecho


You know I can be found, (Você sabe que posso ser encontrado)
sitting home all alone, (Sentado em casa completamente sozinho)
If you can't come around, (Se você não pode vir)
at least please telephone. (Ao menos telefone)
Don't be cruel to a heart that's true. (Não seja cruel, com um coração verdadeiro)




* Ed Sullivan faleceu em 1974 e Elvis Presley faleceu em 1977...