sábado, 21 de maio de 2011

Novelas - Selva de Pedra - 1972/1973


Como você pode ver, na ilustração acima, a novela Selva de Pedra foi escrita por Janete Clair, e foi ao ar entre abril de 1972 e janeiro de 1973, num total de 243 capítulos.

A história começava em Campos, interior do Rio de Janeiro, onde os jovens Cristiano Vilhena (Francisco Cuoco), filho de um pastor evangélico, se desentendia com Gastão Neves (Jorge Caldas), playboy local. A briga acabava com a morte de Gastão, mas Cristiano era inocente. E a única testemunha era a artista plástica Simone Marques (Regina Duarte), que se apaixonou por Cristiano. Com medo de ser preso, ele fugia para o Rio de Janeiro.



No Rio, ele se casou com Simone, e foram morar na Pensão de Dona Fanny (Heloísa Helena), onde conheciam Miro (Carlos Vereza), um sujeito de caráter duvidoso. Cristiano também conhecia Fernanda (Dina Sfat), noiva de seu primo Caio (Carlos Eduardo Dolabella). Envolvido pela ricaça e conduzido por Miro, Cristiano começava a pender para o lado da riqueza, pensando em abandonar Simone.



Miro praticamente matava Simone e Cristiano, sentindo-se culpado, abandonava Fernanda no altar. Simone não morreu, e voltou com Rosana Reis. Mas, culpando Cristiano pelo acidente, o repudiou. Enquanto isso, Fernanda enlouquecia, jurando vingança contra ele.


Para piorar, Cristiano era perseguido pela morte de Gastão, e a única que podia inocentá-lo era Simone/Rosana.

Essa novela atingiu níveis altíssimos de audiência. Em 04/10/1972, o Ibope registrou 100% de audiência, no capítulo em que Simone era desmascarada. Era a sétima novela que Janete Clair escrevia, consecutivamente, e foi baseada em Uma Tragédia Americana, de Theodore Dreiser e Um Lugar ao Sol, de George Stevens. Foi a Censura que proibiu que Cristiano se casasse com Fernanda, mesmo não sabendo que Simone estava viva. Por "vingança", Janete Clair fez com que outro personagem de Dina Sfat, abandonasse Francisco Cuoco no altar, em O Astro.

Foi a novela de estréia de Glória Pires, na TV, em novelas.

Até álbum de figurinhas foi feito, com os personagens da novela:



Abaixo, o tema romântico da novela Selva de Pedra:

video

sábado, 14 de maio de 2011

Os Waltons - 1972/1981

Quando eu era moleque, nos anos 70, assisti muito ao seriado Os Waltons. Na época, achava um porre. Era sobre uma família norte-americana, que vivia na época da Grande Depressão, antes da Segunda Guerra Mundial.


Essa série foi criada por Earl Hamner Jr. (1923/). Como ele era da Virgínia, deve ter sido fácil escrever sobre uma família que vivia nessa região, dos EUA. A série iniciava em 1933, mas isso só ficou perceptível aos poucos, devido aos dados que foram sendo apresentados, aos poucos.


Na segunda temporada, começava o ano de 1934, que durou até a terceira temporada. As temporadas quatro, cinco, seis, sete e oito apresentavam uma sequência de anos, de 1935 até 1944. Na última temporada, mostrou os anos de 1945 e 1946.


Os Waltons eram formados por um casal e seus sete filhos:


1) John Walton: vivido primeiramente por Andrew Duggan e depois por Ralph Waite (1928/). Um homem destemido, temente a Deus, que quer ver todos os filhos na Faculdade.


2) Olivia Walton: no Piloto da série, era vivida por Patricia Neal. Depois foi substituída por Michael Learned (1939/): mulher amorosa, que quer o bem da família. Contrai poliomielite na primeira temporada e tuberculose na última;


3) John-Boy Walton: vivido por Richard Thomas (1951/) até a temporada 6, e por Robert Wightman na última: ele é o narrador da série, sendo alter-ego do criador. Tem 17 anos no início da série, escreve muito, vai para New York e depois se alista no Exército.


4) Jason Walton: vivido por Jon Walmsley (1956/): tem 15 anos, no início da série. É músico, arranja emprego de pianista e se casa com uma judia, tendo vários filhos.




5) Mary Ellen Walton: vivida por Judy Norton Taylor (1958/), é a mais velha das filhas, com 13 anos. Ela namora GW Haines, mas se casa com o Dr. Curt. Depois, pensa que ele morreu, e descobre que é mentira. Separam-se, e ela casa com Jonesy, tendo dois filhos.




6) Benjamin "Ben" Walton: vivido por Eric Scott (1958/). É o irmão atrapalhado, em que os negócios nem sempre dão certo, e sempre precisa ser socorrido pelo pai e pelo irmão. Se casa com Cindy




7) Erin Esther Walton: vivida por Mary Elizabeth McDonough (1961/). É a mais bonita da família e a mais namoradeira. Trabalha de telefonista e secretária. Se casa com Paul e tem três filhos.




8) Robert James "Jim-Bob" Walton: vivido pelo ator David W. Harper (1961/). É o caçula dos meninos e tinha um irmão gêmeo, Joseph Zebulon, que morreu no parto. É mecânico e namorador.




9) Elizabeth Walton: vivida pela atriz Kami Cotler (1965/). É a caçula.




Também haviam outros personagens:


10) Vovô Zeb Walton: vivido por  Will Geer (1902/1978): 




11) Vovó Esther Walton: vivida por Ellen Corby (1911/1999):






Abaixo, os Waltons:




A Série teve 9 Temporadas e 221 Capítulos, mais 7 filmes (1972/1981)

Atualmente, os Waltons estão assim:

Os atores Will Geer e Ellen Corby faleceram;

O ator Ralph Waite tem 83 anos:


A atriz Michael Learned tem 72 anos:




O ator Richard Thomas tem 60 anos:




O ator Jon Walmsley tem 55 anos:




A atriz Judy Norton Taylor tem 53 anos:




O ator Eric Scott também tem 53 anos:




A atriz Mary Elizabeth McDonough está com 50 anos:




O ator David W. Harper também está com 50 anos:




A atriz  Kami Cotler está com 46 anos:




Boa noite, John Boy!

video




terça-feira, 10 de maio de 2011

Grandes Nomes da TV 5 - Tarcísio Meira e Glória Menezes (Parte 6)

Em 1993, Tarcísio Meira trabalhou na novela Fera Ferida, de Aguinaldo Silva. Essa novela teve 209 capítulos e mostrava a cidade de Tubiacanga. Tarcísio Meira era Feliciano Mota da Costa, homem que acreditava que nessa cidade havia ouro. Mas, após enganar os moradores, ele e sua esposa foram mortos e enterrados por seu filho, Feliciano Júnior. Quinze anos se passavam, e Feliciano voltava à cidade, disfarçado como Raimundo Flamel (Edson Celulari) e decidido a se vingar do Prefeito Demóstenes (José Wilker) e do Major Emiliano Bentes (Lima Duarte). Nessa novela também trabalharam Giulia Gam (Linda Inês), Susana Vieira (Rubra Rosa), Joanna Fomm (Salustiana), Arlete Salles (Margarida Weber), Cássia Kiss (Ilka Tibiriçá) e Paulo Gorgulho (Ataliba Timbó). Essa novela marcou a estréia dos atores Murilo Benício (Fabrício) e Camila Pitanga (Teresinha).


Depois, Tarcísio trabalhou na novela Pátria Minha, entre 1994 e 1995. Essa novela foi escrita por Gilberto Braga e contava a história de Raul Pellegrini, um empresário inescrupuloso, que se envolvia em muitos conflitos com a estudante Alice. Raul, vivido por Tarcísio Meira, era casado com Teresa (Eva Wilma). Ele provocava um atropelamento, e tentava obrigar Alice (Cláudia Abreu) a testemunhar em seu favor. Alice namorava Rodrigo (Fábio Assunção), sobrinho de Lídia Laport (Vera Fischer), que tentava conquistar Raul, para sair da pobreza. Ao mesmo tempo, a moça conhecia Pedro (José Mayer), que voltava dos Estados Unidos e encontrava a família numa situação péssima, se voltando contra Raul. Vera Fischer não chegou ao final: ela e seu marido, Felipe Camargo, provocaram tanto tumulto, que acabaram sendo despedidos da Globo (ele vivia Inácio, na mesma novela). Além disso, houve uma cena em que Raul ofendia o personagem vivido pelo ator Alexandre Moreno, chamando-o de "negro safado". Essa cena causou a maior polêmica entre uma rede de TV e o movimento negro, de toda a História da TV. A atriz Taís Araújo aparecia rapidamente na abertura da novela.


Em 1995, foi a vez de Glória Menezes voltar às novelas. Desta vez, ela viveu Júlia Braga, na novela A Próxima Vítima, de Sílvio de Abreu, e que teve 203 capítulos. A personagem dela foi inspirada na artista plástica Yvonne Bezerra de Mello, que cuidava de crianças de rua, na época da Chacina da Candelária (1992). Júlia era tia de Irene, personagem vivido pela atriz Vivianne Pasmanter. Irene era estudante de direito e decidia investigar uma série de assassinatos, onde seu pai (Francisco Cuoco) e sua tia (Glória) foram vítimas. Sílvio de Abreu demonstrou ser um mestre do suspense, ao fazer com que o Brasil não ficasse apenas tentando descobrir quem era o assassino, mas também quem seria a "próxima vítima", como sugeria o nome da novela. Além de Francisco e Glória, também foram "assassinados" os personagens de Carlos Eduardo Dolabella, Maria Helena Dias, Reginaldo Faria, José Augusto Branco, Liana Duval, Antônio Pitanga, Otávio Augusto e Gianfrancesco Guarnieri. Na versão brasileira, o assassino era Adalberto Vasconcellos (Cecil Thiré). Mas Isabela (Cláudia Ohana matou Andréa (Vera Gimenez), Bruno (Alexandre Borges) matou Romana (Rosamaria Murtinho) e Olavo (Paulo Betti) matou Adalberto. Na versão internacional, Eliseo (Gianfrancesco Guarnieri) matou Giggio (Carlos Eduardo Dolabella), Bruno (Alexandre Borges) matou Eliseo, Ulisses (Otávio Augusto) matou sete pessoas, forjou a própria morte, mas se suicidou no final, ao ser descoberto por Olavo (Paulo Betti). Além disso, Sílvio de Abreu criou uma família de negros de classe média, um casal homossexual (vividos por André Gonçalves, que chegou a ser agredido na rua, e Lui Mendes), a "mafiosa" Filomena Ferreto (Aracy Balabanian) e a prostituta Quitéria (Vera Holtz). Foi a estréia de Alexandre Borges.


Em 1996, os dois trabalharam em novelas: ela na novela Vira-Lata e ele na novela O Rei do Gado.

Vira-Lata foi uma novela que passou na televisão no horário das 19 horas, foi escrita por Carlos Lombardi e teve 152 capítulos. Glória Menezes era Stella, mulher que vivia tentando pegar o marido aprontador, vivido por Mário Gomes. Essa novela não fez muito sucesso, por vários motivos, entre eles a superexposição do corpo humano, a vulgaridade e o erotismo apelativo.

O Rei do Gado foi escrita por Benedito Ruy Barbosa, para o horário das 20 horas, e teve 209 capítulos. Na primeira fase da novela, a jovem Giovanna Berdinazzi (Letícia Spiller) e o jovem Enrico Mezenga (Leonardo Brício) se apaixonavam, na época da Segunda Guerra, e tinham um filho: Bruno Mezenga (Antônio Fagundes). Ele era o "Rei do Gado", casado com Léia (Sílvia Pfeiffer) e pai de Marcos (Fábio Assunção) e Lia (Lavínia Vlasak). Ao descobrir a traição da esposa com o motorista Ralf (Oscar Magrini), Bruno se separava dela. Depois, se apaixonava por Luana (Patricia Pillar), uma bóia-fria. Tarcísio Meira teve curta participação, como Giuseppe Berdinazzi, pai de Enrico e avô de Bruno. Destaque para os atores Raul Cortez (Geremias Berdinazzi) e Carlos Vereza (Senador Caxias). Estréia de Marcello Antony, Caco Ciocler, Lavínia Vlasak e Emilio Orciollo Netto. Abaixo, Tarcísio Meira e Antonio Fagundes, que fez o papel duplo de avô (Antonio) e neto (Bruno).


Em 1998, o casal Tarcísio e Glória trabalharam juntos, na mesma novela, depois de anos "separados". A novela em questão foi Torre de Babel, escrita por Sílvio de Abreu, para o horário das 20 horas, com 203 capítulos. Tarcísio era César Toledo e Glória era Marta, usa esposa. Ele era um empresário que construiu um shopping. Clementino, personagem interpretado por Tony Ramos, era pedreiro na obra, e matava sua esposa, indo preso. Vinte anos depois, ele saía, desejando vingança. César, a essa altura, estava em crise no casamento, não se entendia com o filho mais velho Henrique (Edson Celulari), tinha problemas com o filho do meio, Alexandre (Marcos Palmeira) e com o mais novo, Guilherme (Marcello Antony), que era dependente químico. E ainda se envolvia com a advogada Lúcia Prado (Natália do Valle). Ainda havia o casal homossexual, vivido pelas atrizes Sílvia Pfeiffer e Christiane Torloni, que morreram na explosão do shopping. No final da novela, descobriu-se que a causadora da explosão foi Sandrinha (Adriana Estevez), filha de Clementino.


Continua...